terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Presidênciais 2011


As eleições presidências estão aí à porta, mais propriamente no próximo domingo. Já se ouve o "Oh, fodasse, não vou votar. Para quê?" Ou então "Oh, vou votar em branco", "Nem penses, dá chuva para domingo!" entre outras de conteúdos semelhantes.
Deixem que vos lembre meus meninos, que há muito, muito tempo, ainda eu era um girino saltitando alegremente de testículo para testículo, houve muita gentinha que levou no trombil e tantos outros que ganharam um fato de madeira à medida para que hoje nós tivessemos direito a dar a nossa opinião livremente. Esse dia ficou conhecido na História como "O 25 de Abril" (ainda assim há muito boa gente que não faz ideia do que é que estou a falar).
Para uma parcela da população mais avançada na idade, um partido politico é como um clube de futebol. "Nasci PS e serei PS até morrer, ou PDS, ou PCP ou o que quiserem, independentemente do homem  que o representa. E isso nunca mudará até que se finem, o que dificulta um pouco a tarefa de escolher um novo Presidente da República pelos seus ideais e pelo seu carácter. No entanto sobra o resto da população para pensar na pessoa e não no partido e no que essa pessoa pode fazer. Não se esqueçam que há 6 candidatos (se contarmos com o Tiririca de Gaula) que podem escolher para vos representar, portanto a escolha não é assim tão restrita. Quando compramos um carro novo e queremos porque queremos que seja azul cueca, não vamos aceitar um "Azul cueca não há, decidimos aqui no stand que o senhor vai levar um azul ceroula!". Ora se exigimos exercer o nosso direito de escolha na côr de um carro, ao escolher o homem que vai "dirigir" os destinos do país durante os próximos 5 anos abdicamos desse mesmo direito?
Votar é a oportunidade de darem a vossa opinião, de darem voz ás vossas ideias exercendo o vosso direito de escolha.
"Não é o meu voto que vai fazer a diferença!" Provavelmente não, assim como o fumo de um carro não abre um buraco na camada de ozono nem os Visons de José Castelo Branco por si só matam milhares de animais por ano. Da mesma forma um homem só não fez o 25 de Abril, foram precisos muitos! Mas se cada um deles tivesse pensado da forma egoísta e preguiçosa, que infelizmente, se tem tornado comum nos dias que correm, ainda hoje não eramos senhores de andar com um isqueiro no bolso, de conversar com 2 amigos no café e uma mulher jamais usaria calças ou uma saia mais justa que tão bem dispõem e de tão bela forma contribuem para a manutenção ocular masculina, assim como da lesbiana.

Assim caríssimos, é fazer as contas e pensar que se não tivessem o direito de escolha, era bem mais trabalhoso ter que fazer um novo 25 de Abril que perder uma hora a exercer o vosso direito. E se este post tivesse sido escrito há uns 20 anos atrás, teminaria o mesmo dizendo - " O último a chegar ás urnas é boi!!!"

3 comentários:

Sofia disse...

Sim senhor, mostra a essa caozoada de raça de que são feitos os rafeiros babe! Rafeiro ao poder :)))))) ahhhhh boi, perdão, valente!

Nuno Feliz disse...

às vezes dá vontade de lhes atiçar os cães, a ver se a carneirada acorda.

Concordo plenamente da primeira à última palavra.

Jay - O SRD disse...

A abstenção deixa-me possesso... Assim como a abstinência!